sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Primeiro (estão) as pessoas

Neste início de outubro, parece-me oportuno reflectir sobre a profusa animação turística estival, vendida como tradição e mascarada de modernidade (pelo upgrade a festival com DJ incluído).

Uma parte significativa dos municípios dos Açores não consigna o que deve à componente cultural (cultura não é sinónimo de desporto) e não planifica a sua agenda com a devida antecedência. A maioria das iniciativas está concentrada no verão, na transmutação e amplificação das festas religiosas e do feriado municipal, num modelo que poucas alterações conhece e cuja implementação é orçada em ‘copy paste’.

Existem, sempre, excepções mas não se compreende porque é que negligenciamos a imperiosa articulação entre entidades, sejam elas privadas, municipais e/ou governamentais.

Continuamos a agir sem olhar aos interesses de quem nos visita, assumindo que vão comer e vão gostar. Quem procura os Açores (e quem tem amor por estas ilhas) não quer ser surpreendido com a realização de uma festa nas margens da Lagoa das Sete Cidades, num local que diz ser ‘nature friendly’ e cuja promoção assenta no (melhor) equilíbrio entre o homem e a natureza.

Com isto não estou a defender o fim deste tipo de iniciativas, devem ter, como espero que tenham, um enquadramento próprio e, compreensivelmente, não podem ser realizadas em qualquer lugar.

Contrariamente ao que é difundido (anualmente, por exemplo, na BTL, pelas mais diversas entidades), o programa de animação turística do arquipélago apenas responde ao consumo interno, pelo que assumir que se está a promover um cartaz de índole internacional é desconhecer, de forma grosseira, a agenda cultural dos países (e cidades) de origem da maioria dos nossos visitantes.

Outro aspecto que importa clarificar, e que é dado a equívocos, é confundir animação turística com criação artística.

Ambos os universos devem coexistir e trabalhar de forma articulada, algo que, tendencialmente, não acontece apesar da nossa reduzida escala.

Este assunto é entendido, por muito boa gente, como não prioritário, mas não podemos afirmar que, culturalmente, somos X, Y e Z quando, estrategicamente, não se investe, consubstancialmente, na preservação e difusão do riquíssimo património que afirmarmos ter, seja ele ambiental, patrimonial ou religioso. Assim como, no apoio ao funcionamento regular dos agentes e criadores regionais.

Os objectivos de um legítimo empresário na promoção de uma festa/festival, não serão exactamente os mesmos de quem produz uma exposição de fotografia ou dirige uma orquestra/filarmónica. O valor económico inerente a cada uma destas actividades pressupõe um apoio, e um olhar, diferenciado pelas entidades que as tutelam (e acompanham).

A dimensão cultural exige uma atenção particular que não pode ser balizada pelo incremento turístico, pois, em primeira instância, estão, espero eu, os que aqui residem e querem trabalhar.

Também, aqui, deve existir uma clara definição de quem apoia o quê, nomeadamente, na reciprocidade deste diálogo entre turismo e cultura.

Primeiro estão as pessoas, o resto vem depois.

* Publicado na edição de 08/10/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 

*** Twitter X
**** Email X

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

(Por) uma sociedade mais justa

O auditório da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada foi palco para o seminário “Cultura Acessível e Inclusiva” promovido pela Direcção Regional da Cultura, cujo objectivo teve por base o incentivo e o apoio dos agentes culturais, públicos e privados, na promoção de uma cultura inclusiva e acessível, através do intercâmbio de experiências e da partilha de boas-práticas.

Este encontro teve o mérito de colocar à discussão as barreiras no acesso à cultura que não são, apenas, físicas, na medida em que extravasam largamente a componente estrutural.

Apesar do progresso evidenciado nas últimas décadas, persistem, entre nós, muros invisíveis que dificultam e impedem o acesso, de diferentes públicos, aos espaços culturais.

Independentemente disso, existe uma crescente sensibilização das instituições culturais para a necessidade de ultrapassar estes impedimentos, os quais se situam, na sua maior parte, ao nível social, cultural e, inclusive, comunicacional.

Um espaço cultural não pode negligenciar o território onde se encontra, deve contribuir activamente para a qualificação da comunidade, na mitigação de factores de discriminação e marginalização que, ainda, subsistem.

A igualdade de oportunidades na acessibilidade aos espaços, e conteúdos, exige um grande trabalho de equipa, na dinamização e na renovação das actividades, sendo que, em muitas situações, nem sempre é fácil chegar a estes públicos.

O capital cultural define a forma como, cada um de nós, se posiciona perante um determinado activo cultural, seja ele, um livro, um concerto ou uma (aparente e simples) ida ao museu.

Importa ter presente que a interação com estes objectos, e manifestações culturais, não se processa da mesma maneira e não se faz por injecção mas, sim, por contaminação. E isto só se consegue com a criação de hábitos (fruição e acesso), com a introdução de uma regularidade e estabilidade na acção programática dos espaços culturais e na intensificação da mediação com os seus vários públicos.

E para que isto possa acontecer de forma mais evidente, é necessário comunicar com mais assertividade, e clareza, tornar simples o acesso ao que não conhecemos por um processo de simplificação (sem que seja entendido como algo redutor), descomplicando aquilo que pode ser entendido como intangível.

O trabalho de proximidade, de especialização e para diferentes nichos de público, é algo que deve ser entendido como fundamental para a inclusão pelas artes, sobretudo, em comunidades onde existem múltiplas assimetrias.

Os Açores são um espaço de cultura, como uma matriz identitária fortíssima e com um apego ancestral pelas suas tradições. Não obstante este cariz, não podemos ficar ancorados ao passado.

A nossa educação passa, inexoravelmente, por conhecermos quem nos antecedeu, sendo que "o verdadeiro objectivo do estudo da História não é recordarmos o passado, mas libertarmo-nos dele" (Yuval Noah Harari). E, nesta medida, devemos atender ao presente e perspectivar o futuro.

Para tal importa ressalvar o investimento continuado (e reforçado) na educação e na cultura, como elemento fundamental para a construção de uma sociedade mais justa.

P.S. - Face à (recente) mudança de protagonistas na Direcção Regional da Cultura, um justo reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelo arquitecto Nuno Ribeiro Lopes e um voto de confiança para a sua sucessora, a professora Susana Goulart Costa.


* Publicado na edição de 24/09/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 

*** Twitter X
**** Email X

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Dar espaço (ao tempo que nos falta)

Nesta(s) ilha(s), o alvoroço provocado pelo crescimento turístico passou a ser o denominador comum de quase todas as conversas, de parte substantiva da acção política e da dinâmica empresarial.

Tudo parece gravitar em torno do turismo, dos seus benefícios, dos (designados) malefícios e da dificuldade que é (ou passou a ser) alugar casa, estacionar ou reservar um restaurante que antes estava vazio (e à nossa espera).

Esta onda de choque não se faz sentir de forma idêntica por todas as ilhas, nem tal seria possível, a começar, como sabemos, pela natureza e dimensão de cada uma delas.

Pese embora esta (óbvia) constatação, há quem considere que este é (apenas e quase sempre) um problema de transportes ou da (in)competência de determinado decisor político.

Na resposta a uma explicação plausível, assistimos, não raras vezes, a uma exigência irrealista para depois surgir a reivindicação (surrealista), sobretudo, junto do governo regional, a exigir a gestão rigorosa dos recursos públicos (no qual se incluem a multiplicidade de serviços públicos que existem e que são necessários à manutenção da coesão social do arquipélago).

A Sata, os transportes marítimos e a saúde são alguns dos maiores exemplos da coesão regional, cujo desempenho é fundamental para garantir a união em torno do projecto autonómico.

A crítica pela crítica, escudada na amplificação de casos particulares, faz denegrir e perigar a existência de empresas e profissionais (fundamentais ao garante ao nosso bem-estar colectivo). E que, na maior partes das situações, é alimentada para fazer face à sobrevivência política de alguns protagonistas, cujo maior contributo consiste em destruir e, não, em construir.

A gestão da coisa pública nem sempre é compaginável com um tempo marcado pela urgência, pelo imediato e pela aceleração, no qual vivemos fascinados pelo fim e pela catástrofe (António Guerreiro).

A actuação política não deve mas é, recorrentemente, ditada pela lógica da reacção e do desagrado promovido, e amplificado, pela irracionalidade que, hoje, vigora nas redes sociais.

Não devemos, nem podemos ignorá-las, temos é, sim, de destrinçar o que é relevante, daquilo que possa ser efabulado.

Apesar de assumirmos que estávamos preparados para a intensificação da actividade turística, nada, nem ninguém, previu a magnitude do impacto do crescimento exponencial que estamos a experienciar.

Da mesma maneira que não devemos entrar em euforias desmedidas, temos de ter consciência que subsistem inúmeros constrangimentos no incremento deste sector, os quais não têm, na maior parte deles, uma resposta imediata.

Neste capítulo, como em tantos outros, o governo é um parceiro, não tem todas as respostas, nem pode ser o catalisador de toda a iniciativa.

Contudo, a “política não tem tempo e tudo aquilo que precisa de tempo encontra hoje imensas dificuldades para subsistir” (António Guerreiro).

Importa dar espaço (ao tempo que nos falta), para o diálogo, reflexão e acção na implementação (responsável e consciente) do projecto de sustentabilidade que se pretende para o destino Açores.


* Publicado na edição de 10/09/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 
*** Twitter X
**** Email X

terça-feira, 14 de agosto de 2018

A ilha (não) é nossa

O incremento da actividade turística tem provocado alguns constrangimentos no nosso modo de vida e tem conduzido a alguns aspectos menos positivos na vida dos insulares.

À semelhança do que acontece com outros destinos turísticos, existem, inevitavelmente, dores de crescimento face à crescente intensificação do número de visitantes, do aumento dos empreendimentos e investimentos de apoio ao alojamento e à animação turística.

Perante o congestionamento no acesso a determinados pontos de atracção turística, multiplicam-se as reacções negativas face ao aumento do fluxo turístico.

Ninguém ignora o efeito multiplicador da actividade turística na economia regional, os proveitos do turismo são muito bem-vindos mas para alguns (intervenientes) podíamos, quiçá, dispensar a presença dos turistas.

Passamos anos a reclamar por mais e melhores turistas, agora que eles aí estão, achamos que são demasiados?

Apesar de andarmos sempre a reivindicar a promoção do destino, foram poucos os que acreditaram no resultado desse investimento e na liberalização do espaço aéreo dos Açores.

A maior parte não estava preparada para o aumento exponencial do turismo, nem para as exigências daí decorrentes.

Nas últimas semanas têm surgido algumas notícias que dão conta da relativa insatisfação, por parte da população residente, face ao aumento dos preços (e ao anúncio de outros) no acesso a alguns pontos turísticos de maior afluência, como a Poça da Beija, nas Furnas, a Caldeira Velha, na Ribeira Grande, ou na Ferraria.

Passados três anos não me parece razoável continuarmos à espera dos meses mais intensos para realizamos obras de manutenção, sem adaptar horários de funcionamento e a evitar implementar medidas de regulação no acesso a espaços ambientais sensíveis, nomeadamente, no acesso automóvel, por exemplo, às margens da lagoa das Sete Cidades.

A justificação para a introdução desta regulação não pode, apenas, advir do facto de agora existirem mais turistas e (milhares de) carros em circulação pela ilha, são medidas em prol da nossa (proclamada) qualidade de vida e no melhor usufruto destes locais, naquilo que consideramos ser o equilíbrio entre desenvolvimento e o ambiente: o nosso maior activo.

Não podemos negligenciar a pressão exercida nestes locais, a qual é agora (muito) maior daquela que já tinham, pelo que sem a necessária implementação de regras que possam minimizar o número de acessos será difícil garantirmos a melhor experiência (turística).

E como de resto acontece, um pouco por todo o mundo, os locais de visitação devem ser pagos e uma parte destas receitas deve ser investida na sua manutenção, conservação e monotorização.

Com isto não estou a excluir os locais, devem ser gerados acessos diferenciados para residentes e visitantes, os quais devem reflectir a pressão das épocas de maior procura, por aquelas onde a procura é menos intensa.

A afirmação dos Açores como destino turístico passa, inexoravelmente, pela forma como acolhemos aqueles que nos visitam, sem que nos tornemos, num local asséptico, indiferenciado e individualista.

Parece-me ingénuo e irresponsável assumir que poderíamos ter mais turismo sem que existisse alguma perturbação na vida da ilha, sendo que, como aqui já escrevi, o verdadeiro desenvolvimento económico só terá significado se todas as acções promocionais reverterem, efectivamente, para uma melhoria sustentada da população residente, em termos sociais, culturais e ambientais.

Parafraseando Jack Self (in Revista Electra, junho 2018), “a relação entre o que é da ordem da esfera pública e o que é da ordem da privacidade alterou-se completamente no nosso tempo, à imagem do que se passa na relação entre o indivíduo e a sociedade.”

A ilha não é nossa, nem nunca o foi.


* Publicado na edição de 13/08/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 
*** Twitter X
**** Email X

terça-feira, 31 de julho de 2018

A tingir a ilha de castanho

As alterações climáticas são hoje uma certeza, é impossível ignorá-lo, embora há quem considere que se trate de mais um devaneio de alguns ambientalistas (leia-se fundamentalistas).

Os Açores são um pequeno laboratório para o quão drástico podem constituir-se estas mudanças no nosso modo de vida e frágil ecossistema.

Os exemplos (e as tragédias naturais) falam por si.

Assistimos de forma (surpreendentemente) célere a súbitas transformações da paisagem e do clima, quando a discussão sobre as alterações climáticas parece ser (ainda) algo muito distante.

Mas não é. É um problema do presente que pode, sim, alterar significativamente a vida futura neste conjunto de ilhas.

A recente crise económica fez abandonar (ou atrasar) um conjunto de projectos associados à produção de energia com base em fontes renováveis e um conjunto de boas práticas, com vista a alcançarmos o que hoje se designa por desenvolvimento sustentável.

A falta de planeamento (e/ou desrespeito pelo já existente) e a enorme pressão exercida em torno da nossa geografia tem conduzido a múltiplos desequilíbrios, dos quais alguns resultaram na perda de vidas e em custos materiais significativos.

Num período de crescimento económico, como aquele que hoje experienciamos, ninguém questiona se temos capacidade para multiplicar o número de licenciamentos de novas habitações, hotéis e outras tipologias.

Ao incremento do consumo de recursos naturais, nomeadamente, água, e ao aumento exponencial da produção de resíduos sólidos e urbanos, de residentes e de turistas, associado ao normal desempenho da indústria, da agricultura e da pecuária, será que estaremos todos conscientes do impacto que todas estas actividades têm nos recursos disponíveis? Sabemos o limite para a pressão que podemos exercer sobre estes mesmos recursos?

Nos Açores, a natureza é exuberante e tem uma capacidade incrível de regeneração, tendo em conta os sucessivos atentados de que tem sido alvo. Mas até quando?

As estações do ano deixaram de ser constantes e previsíveis, sendo que verão e inverno são, muitas das vezes, coincidentes e prolongam-se para além da barreira temporal.

O clima das ilhas é, por regra, temperado mas está diferente, com clivagens mais acentuadas e extremas, em que após um período de chuva intensa, sucede-se, de forma alternada, um período de seca.

A abundância da água entre nós (pelo menos em São Miguel, noutras ilhas do arquipélago esta situação não se verifica) faz com que nos tivéssemos habituado à sua presença e a conviver, de forma mais ou menos normal, com o seu desperdício.

Em anos, como este, em que a escassez de água faz tingir a ilha (verde) de castanho, seria bom questionarmo-nos sobre aquilo que temos de fazer para reduzir o consumo, evitar o gasto desnecessário e procurar outras soluções para o armazenamento de água, sobretudo, naquela que é necessária para abastecer a pecuária (na medida em que, por exemplo, cada vaca consome, em média, entre 100 a 130 litros de água por dia) - informaçãos obtida em várias fontes 1 / 2 / 3.

O Programa Regional para as Alterações Climáticas (PRAC) não dará todas as respostas e será, inevitavelmente, ineficiente, se cada um de nós não cumprir com a parte que lhe compete.

É tempo de deixarmo-nos de lamuriar por aí e passarmos a agir de forma responsável, individual e colectivamente.


* Publicado na edição de 30/07/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 
*** Twitter X
**** Email X

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Um caminho de futuro

O festival Walk & Talk (W&T) acontece há oito edições e este ano decorre, em São Miguel, entre 29 Junho e 14 Julho.

Para quem está mais atento, e tem acompanhado a trajectória deste projecto, o W&T está diferente e pouco, ou nada, tem a ver com aquele que se deu a conhecer de início, o qual preconizava a criação de um “museu a céu aberto” (com recurso a grandes murais), ideia que rapidamente abandonou mas que ainda perdura na memória de muitos.

Esta questão é pertinente, na medida em que o festival cresceu, diversificando e alargando o seu espectro e a sua acção, acompanhando, paralelamente, o desenvolvimento que a ilha, também, evidencia. E, tal como o arquipélago, deu-se a conhecer ao mundo. Não sei se podemos falar de maturidade, esta leitura pode parecer paternalista, e desnecessária, mas o reconhecimento obtido com a atribuição de um apoio da Direção-Geral das Artes, no primeiro ano em que os agentes culturais das regiões autónomas conseguiram concorrer, confere-lhe uma maior responsabilidade, rumo a uma crescente, e necessária, profissionalização do tecido artístico/criativo regional.

Não obstante as recentes conquistas, e todo o trabalho evidenciado até aqui, considero que os objectivos a que o festival se propôs, e propõe, só farão pleno sentido na construção de uma dinâmica consistente e sustentada da actividade cultural e criativa na(s) ilha(s).

Este será, talvez, parte de um longo processo.

Num espaço geográfico circunscrito, por natureza, conservador nas atitudes e nas opiniões, a ingenuidade e irreverência (iniciais) foram importantes para a sua afirmação. O W&T colocou os Açores no mapa (e no roteiro) da criação contemporânea, uma conquista que ninguém ignora.

Contudo, considero fundamental que o W&T abandone o (seu) carácter efémero, na medida em que existem mais Açores para além do período em que o festival ocorre.

A criação de hábitos de fruição e de visitação a espaços e a locais de cultura é, ainda, entre nós, um desafio. Importa pois, por isso, que o festival expanda a sua presença ao longo do ano, combatendo uma aparente guetização, cuja repercussão não pode ficar circunscrita às redes sociais e à imprensa, sabendo (sempre) à partida que estaremos a falar de um público restrito. Convém não ignorarmos este dado, sendo que não há nenhum problema com isso.

A importância de tornar acessível o contacto com a criação e com os criadores contemporâneos, nacionais e internacionais, junto de um público menos familiarizado com um conjunto de linguagens, conceitos e temáticas que, habitualmente, não fazem parte do discurso cultural do arquipélago, torna-o especial.

Afirmar a importância da cultura, como parte integrante da formação e da educação desta comunidade, pela introdução à contemporaneidade com recurso às artes, é um caminho de futuro, que fará, acredito e espero, toda a diferença.

A bem da(s) ilha(s).

* Publicado na edição de 09/07/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 
*** Twitter X
**** Email X

terça-feira, 3 de julho de 2018

Destempo

A existência de um plano (desenvolvimento estratégico; director municipal ou marketing), concreto e objectivo quanto às decisões que afectam o nosso futuro colectivo, constitui um importante instrumento de gestão na assumpção do compromisso público para com a comunidade e o território a intervir.

Infelizmente nem sempre é assim e, demasiadas vezes, somos confrontados com resoluções que enfermam de uma visão de curto prazo, de contornos pouco claros, na resposta a um anseio populista, local, ou corporativo, o qual, na maioria das situações, não resulta de uma planificação integrada (ou sustentada).

Por estes dias contestar algumas opções de investimento, significa assumir uma posição minoritária face ao que é entendido como um desígnio comum e a necessidade (inadiável) de concretizar as reivindicações de determinada população, município ou ilha.

A democracia não é uma via de sentido único, exige reciprocidade, importa, por isso, que os diferentes interlocutores, em particular, os representantes eleitos, a saibam interpretar e a façam cumprir.

De igual modo, não basta exigir aos outros, nem vale desresponsabilizarmo-nos de cumprir com a nossa acção cívica, delegando-a em terceiros, apontando o dedo aos suspeitos do costume, numa interminável ladainha miserabilista, apanágio destes dias da indignação em tempo real.

Ao contrário do que se possa pensar, existem um número significativo de mecanismos públicos e privados que dão respostas a questões de governança.

Na maioria das vezes não nos socorremos delas, por desconhecimento ou por desleixo ou, muito simplesmente, porque afirmamos não nos interessar por política, na esperança que outros o façam por nós.

A história encarrega-se de demonstrar que sempre procurarmos justificar a nossa incapacidade, ou insucesso, com um bode expiatório, seja ele o árbitro ou a comissão europeia, ou, ainda, na vã tentativa de elencar uma figura messiânica que nos guie, novamente, para no esforço mínimo, obter a renda máxima.

Nestas últimas semanas muito se tem falado da forte probabilidade de existirem cortes nos apoios comunitários, nos quais os Açores seriam, também, naturalmente, afectados.

Contudo, e contrariando as (minhas) expectativas, o Comissário Europeu da Agricultura e do Desenvolvimento Rural em visita ao Presidente do Governo afirmou que, afinal, não haveriam cortes no programa POSEI, no âmbito do próximo quadro financeiro plurianual para o período 2021-2027.

A notícia não podia ser melhor. Não obstante, o lamento manteve-se de forma transversal, pois a intenção é que os apoios fossem aumentados (!). Observei alguns dos comentários com relativa incredulidade, se os apoios tivessem sido reduzidos: estaríamos preparados, que soluções existiriam?

Esperei que durante este período se desse início a uma ampla reflexão quanto às mudanças em curso no seio da União Europeia. Tal não veio a acontecer, no sentido de avançarmos com soluções ou planos alternativos para que se sejam previstos projectos de diversificação agrícola que possam, eventualmente, compensar, ou minimizar, futuras quebras de financiamento comunitário.

Esta parece-me ser uma questão inevitável, tal como o impacto (futuro) das alterações climáticas no nosso modo de vida.

Nesta situação, como em outras, a prevenção será, sempre, mais conveniente do que uma (re)acção a destempo.

* Publicado na edição de 02/07/18 do Açoriano Oriental
** Blog X 
*** Twitter X
**** Email X